SEGUNDA 2/05
No coração da amazônia as mercadorias chegam aos ribeirinhos através dos barcos que enfrentam longas jornadas. Num deles, o capitão e seus marujos se encarregam de preparar novos negócios com um homem conhecido pelo apelido de Sapo. Ele e seu bando estão embrenhados na floresta e passam a admirar a jovem e bela filha do capitão. A moça é Bárbara e sua protetora é uma velha índia chamada Eustáquia. A velha pede para que Bárbara não fique fora do barco porque a região onde se encontram é infestada por homens maus e bêbados. A moça vive a ilusão da juventude e de sua primeira paixão, o jovem Asdrúbal, que a presenteia com uma goiaba e lhe diz que comprará alguma coisa mais significativa tão logo receba o salário do seu pai. Tudo parece correr com tranquilidade até que o Sapo e seus homens decidem provocar Asdrúbal porque é o único que tem uma mulher naquela imensidão. Asdrúbal percebe que a intenção dos homens é se apoderar de sua noiva e grita para ela correr. Sapo lhe dá um tiro mortal e a jovem Bárbara se embrenha pela floresta numa fuga desesperada. Os homens, que já haviam matado seu pai a perseguem e a violentam, um a um. Mais tarde, a velha Eustáquia a encontra e a leva para sua tribo de origem para ser devidamente tratada. Longe dali, na Fazenda Altamira, vive a jovem Cecilia que diz a seu pai que está apaixonada por Lourenço Barquero. O pai da jovem, José Luzardo diz que jamais permitirá um romance entre eles porque suas famílias são inimigas. O seu filho mais velho, Félix o reprova pela decisão e José diz que dois de seus irmãos foram mortos pelas mãos dos Barqueros. Felix se irrita e desafia o próprio pai e depois de uma briga ele vai embora prometendo jamais por os pés em Altamira. Inconformado pela atitude do filho, José vai à sua procura no povoado e depois de uma discussão acaba atirando no próprio filho. Ele regressa para casa com o corpo e diz para a mulher Assunção que não teve outra escolha. Em seguida, se recolhe em seu escritório e se suicida. O filho menor,Santos Luzardo, presencia tudo e Assunção diante da desgraça, decide ir embora. Na tribo de Eustáquia, Bárbara já está bem recuperada e começa a provocar os instintos dos jovens índios, obrigando o cacique a pedir que Eustáquia vá embora e leve a moça antes que aconteça algo de ruim. A partir dai Eustáquia e a jovem Bárbara começam a navegar pelo rio para vender mercadorias, entre as quais, a bebida preferida dos homens da região, o Rum. Numa dessas paradas ela conhece o jovem Lourenço Barquero, que lhe compra todo o estoque da bebida e a convida para ir até sua fazenda. Encantado com a beleza de Bárbara ele se deixa levar por sua sensualidade e se entrega de corpo e alma. Era tudo o que Bárbara queria: um homem rico para poder se apoderar de suas terras e de suas manadas. Começa assim a via crucis de Lourenço. Assunção vai para a cidade grande com o intuito de que Santos estude e possa se tornar um homem digno. Na fazenda Barquero o clima esquenta entre Bárbara e Lourenço e ela lhe diz que só ficou com ele porque recordou do seu grande amor, Asdrúbal. Lourenço começa a beber cada vez mais e sua desgraça maior culmina com o nascimento de sua filha, Maricela, a qual Bárbara rejeita desde o instante do nascimento. Diante disso, ela consegue se apossar da fazenda, levando Lourenço e a filha a ir viver num casebre no meio do atoleiro. A fazenda muda de nome e passa a ser conhecida como “Medo”. Logo, em toda a região, o nome de Bárbara para a ser temido em função das suas atitudes e a de seus fiéis capangas. Longe dali, Santos termina seu doutorado e começa a pensar na nova fase de sua vida, dizendo para Cecilia que agora poderá ir para Paris assim que vender a fazenda Altamira. Luisana, sua noiva fica toda radiante e esperançosa de que as coisas aconteçam rapidamente. Santos viaja com destino à fazenda e a noticia de seu retorno começa a incomodar muita gente, entre as quais, o capataz Balbino Paiva, que ajuda Bárbara a roubar terras e gado e a própria Bárbara, que de imediato ordena a seus capangas que, assim que o “doutor” chegar, que o joguem no rio para que os jacarés se divirtam.

TERÇA 3/05
Santos Luzardo regressa à sua terra com o intuíto de vender tudo mas descobre que a situação da fazenda é extremamente delicada e que em função dos anos, a maior parte do gado se perdeu e boa parte das terras foi roubada. Na chegada ao rio ele conhece Melquiades, um sujeito estranho que pede uma carona. Melquiades é o principal capanga de Barbara e está com a missão de levar Luzardo para uma armadilha. O barco segue pelo rio e Luzardo decide dar um tiro num jacaré, só para relembrar dos tempos de menino. No alto da barranca, outros capangas de Bárbara observam Santos. Bárbara decide vir e quando vê Luzardo sua mente se aviva e ela enxerga nele a figura do seu primeiro amor, Asdrúbal. Assim, ela diz aos capangas que ninguém deverá tocar no doutor, porque aquele homem será dela. Santos chega na fazenda e de imediato não é bem aceito por Juan, Carmelo e Maria Neves, porque eles desconfiam que sua ida até lá pode significar o fim de seus trabalhos. Santos deseja encontrar Tonho, seu amigo de infância e Melésio, a quem sempre teve um carinho especial. Melésio o recebe em clima de festa e já vai apresentando todas as suas netas. Depois, Santos encontra Tonho e ambos vão até a fazenda onde ele vê que o estado da mesma é crítico. Tonho o coloca ao par de toda a situação e lhe diz que Balbino Paiva , o capataz da fazenda é amante de Dona Bárbara e que está ajudando a mulher a tomar suas terras e seu gado. Santos se irrita e tão logo encontra Balbino trata de despedí-lo e dá o cargo de capataz para Tonho. Santos é apresentado aos peões e depois que conversa com eles e decide que irá reeguer a fazenda, é bem aceito por todos. Bárbara e seus peões decidem caçar o cavalo Cabos Brancos, que lidera uma manada selvagem e sem obter sucesso, ela decide banhar-se no rio. Vai ser ali o primeiro encontro dela com Santos Luzardo.

QUARTA 4/05
Bárbara decide banhar-se no rio e ao mesmo tempo, depois de cavalgar por suas terras, Santos também decide espantar o calor nas águas do rio. De repente, ele descobre que uma mulher está próxima e nua. Santos se aproxima e Bárbara sai da água para provocá-lo. Santos faz perguntas querendo saber quem é ela mas Barbara monta no cavalo e vai embora. Na fazenda, Carmelo, Juan e Tonho ficam sabendo através de Jacilda que Santos pretende vender a fazenda e os peões ficam preocupados. Ainda boquiaberto pela beleza da mulher que viu nua no rio, Santos procura Melésio para contar a novidade e este, vendo que Santos está enfeitiçado, diz a ele que se trata de Dona Bárbara. Santos ri e confessa que achava que Dona Barbara fosse uma velha feia e gorda. Na fazenda Medo, Bárbara conta para Eustáquia que viu Santos bem de pertinho e que ele ficou abobado diante da sua nudez e que agora, vai fazer tudo para provocá-lo ainda mais até que o tenha em seus braços. Santos conta para Melésio que depois que a bela mulher foi embora ele viu algo mover-se na mata e achou que fosse outra mulher. Genovena diz que se trata de sua prima Maricela, que vive como um bicho pelo mato. Tonho e Melésio contam para Santos toda a história de Maricela e ele fica bem interessado em conhecer a moça. Bárbara recebe a visita do Gringo e promete que ele terá umas terras tão logo ela vá à cidade e faça com que o coronel Pernalete lhe dê os papéis. Ela parte com seus peões e descobre no bar que um sujeito bêbado tem muito a ver com seu passado. O homem é conhecido como “Cachorro d’água” e foi um dos que a violentaram quando jovem. Ela se enche de tristes recordações e o ódio aflora em seu coração. Pede para que os peões levem o homem para uma armadilha. Santos vai procurar Lourenço e fica assustado com o seu estado e sua situação. Lourenço não aceita sua visita e ameaça agredi-lo, mas Santos apenas se defende e depois consegue abrir um diálogo com seu primo que lhe conta estar daquele jeito porque se envolveu com Bárbara e ela o deixou na miséria. Lourenço o alerta a respeito da “devoradora de homens” e diz que infelizmente ainda o verá nos braços dela. Melquíades e Leon levam “Cachorro d’água” até o rio e em seguida chega Bárbara e o faz relembrar do dia trágico. O homem implora por piedade e ainda conta sobre os seus parceiros. Bárbara joga uma galinha viva na água do rio e as piranhas são providenciais. Cachorro d’água se desespera, pois percebe que terá o mesmo fim da galinha.

QUINTA 5/05
Tomada por um ódio incontrolável Bárbara decide se vingar de Cachorro d’água fazendo com que Melquíades e seu parceiro o pendurem numa corda e o coloquem na água do rio infestada por piranhas. O homem se debate e implora mas Bárbara diz que ele tem que morrer olhando nos olhos dela para chegar ao inferno e nunca esquecê-la. Frederica cerca Tonho de todas as maneiras mas ele não está nada a fim de um namoro com ela. Sentindo que vai perder a parada ela o convence a um namoro “faz de conta”, já que a maioria das pessoas pensam que ela de fato vai se casar com ele. No rio, Santos conversa com Maricela e a convence a tomar banho, dizendo que ela é uma moça muito bonita.Mais tarde ele decide escrever cartas para sua noiva Luisana e para sua tia Cecília para contar as novidades. Bárbara ordena seus peões para que avancem uma palhoça para duas léguas dentro das terras de Altamira, porque ela deseja ampliar a sua fazenda. Para Eustáquia ela conta, um tanto decepcionada que matou o Cachorro d’água e que não irá sossegar enquanto não matar todos os que a violentaram. Maricela está no rio e é surpreendida pelas netas de Melésio que chegam dispostas a lhe dar um banho de verdade. Ela reluta, mas as jovens dizem que foi um pedido de Santos e que depois ele virá vê-la. A moça fica encantada e aceita o banho entre muitas reclamações. Bárbara diz para Eustáquia que não está muito bem e que vai descansar e que de jeito algum deseja ser incomodada. Santos e Tonho descobrem que os peões de Bárbara estão em suas terras e é recebido com armas apontadas. Os homens ficam sem ação diante da fala calma de Santos que decide ir sozinho até a fazenda Medo. Tonho não acha boa a idéia, mas ele diz que enquanto estiver na fazenda as coisas vão ser do seu jeito. Segue em direção à fazenda Medo e não é bem recebido por Balbino Paiva que diz para ele ir embora. Santos observa atentamente o seu ex-capataz e enquanto isto, Joãozinho corre para chamar a patroa. Diante dos gritos e da confusão que Balbino começa a criar Barbara deixa seus aposentos irritada. Ao saber que o doutor está à sua espera, ela sorri e vai recebê-lo, para decepção de Balbino que se torna motivo de chacota por parte dos demais peões. O Gringo chega ao casebre de Lourenço que está completamente desmaiado pela bebida. Ele encontra Maricela com roupas novas, toda limpinha e tenta agarrar a moça à força. Ela se defende e na luta, o Gringo a joga na lama. Apesar de conseguir escapar, a jovem fica triste porque sabe que Santos virá para vê-la e a encontrará muito pior do que antes.

SEXTA 6/05
Na fazenda Medo, Bárbara recolhe Santos para uma sala confortável e lhe oferece suco gelado. Ela fica admirada por ele não beber e nem fumar. Santos tenta se desculpar pelo incidente no rio e Bárbara lhe diz que, por ser um autêntico cavalheiro, o fato deve passar como se nada tivesse acontecido. Santos então diz a ela que seus peões estão invadindo suas terras e ela diz que é impossível. Ele então pergunta se por acaso ela o esta chamando de mentiroso. Ela diz que não mas ele completa dizendo que é um homem sério, que não gosta de brincar com ninguém e que não aceita que brinquem com ele. Meio irritado se levanta e vai embora. Juan quer expulsar os peões de Bárbara das terras de Luzardo, mas decide que a melhor maneira de fazer isto é lhes dar um belo susto. Para tanto, utiliza-se de uma lenda local sobre uma criatura que aparece carregando um saco de ossos à noite. Os peões assustados se mandam. Eustáquia aconselha Bárbara a não criar atrito com Santos e ela diz que ele é mais um homem, mais um pobre coitado. Santos decide ir ver Maricela mas ela está escondida com medo do Gringo. Ela diz que só aparece se ele não rir dela e Santos promete que não. Mas ao ver a moça toda suja de barro ele não se contém. Ela esbraveja e diz para ele ir embora. Santos diz a ela que tudo bem, mas que o pior é que ela lhe passou piolhos. Mais tarde ele vai falar com o coronel Pernalete sobre a questão das terras e o homem tenta sair pela tangente. Santos diz que é melhor que ele faça valer a justiça ou então, irá buscar soluções em instâncias maiores. Fica combinado um encontro no dia seguinte com Bárbara para delimitar as fronteiras de suas fazendas. Do outro lado, Bárbara está furiosa porque seus peões abandonaram o local e porque os homens de Santos estão rindo a valer de todos eles. Ela ordena a Melquíades que recoloque a palhoça no local de origem e bem rápido. Joãozinho vai levar comida para Maricela e os dois percebem que Lourenço está imóvel. Acreditam que ele morreu e assim, Joãozinho vai procurar Santos para pedir ajuda. Ao chegar, Santos encontra o Gringo tentando outra vez agarrar a moça e diante disso, Santos lhe dá um belo soco e o expulsa. Providencia para que levem Lourenço e Maricela para sua casa.

SÁBADO 7/05
Santos chega ao casebre de Lourenço e percebe que o Gringo deseja que Lourenço assine um papel lhe passando a propriedade e o direito de paternidade sobre Maricela. Ele toma o papel das mãos do Gringo e lhe dá um soco. O homem vai embora prometendo que terá volta. Imediatamente Santos providencia que Lourenço e Maricela sejam levados para sua casa e solicita que busquem um médico. Neste intervalo de tempo, Bárbara vai até a fazenda de Santos e não encontra ninguém. Curiosa, ela entra na casa e descobre sobre a mesa as cartas que Santos recebera de sua noiva. Ela fica irritada porque a noiva assinala em suas linhas que as mulheres daquela região são burras, quase que bichos-do-mato. Antes de ir embora ela atira o porta-retratos com a foto de Luisana no chão. Bárbara segue perguntando por onde anda Santos mas ninguém sabe lhe dizer. Irritada ela chega até a casa de Melesio e este diz a ela que não sabe onde anda Santos e que ele é um homem dificil de domar. Ela ameça dar uma chicotada no homem mas Tonho chega na hora e segura a sua mão. De volta para casa ela consegue, sozinha, capturar o cavalo Cabo Branco. Na casa de Santos o médico diz que Lourenço está com cirrose e que não pode beber nem uma gota de álcool.Barbara decide domar o cavalo selvagem e é jogada ao chão. Melquiades corre para socorrer mas acha que ela está morta. Fica feliz ao ver que ela só machucou um pouco a perna. Joãozinho conta para Eustáquia que Maricela agora mora na fazenda Altamira e a velha pede a ele que não conte nada para Bárbara. Cecilia decide viajar para Altamira e por lá, Maricela fica descontente ao saber que Santos pretende vender a fazenda. A noticia atiça o desejo de Bárbara de ter todas aquelas terras e ela pega dinheiro e vai até lá para negociar. Ao chegar descobre que Maricela está lá.

Comentários encerrados.

Parceiros